Entenda o que muda nas regras de aposentadoria do INSS a partir de 1º de janeiro

A- A+
4 de janeiro de 2022

À CNN Rádio, a especialista Jeanne D’Arc Magliano explicou quais as principais alterações para o benefício em 2022

A partir do dia 1º de janeiro de 2022 passarão a valer novas regras para a aposentadoria do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), seguindo o período de transição previsto pela reforma da Previdência estabelecida em novembro de 2019.

Em entrevista à CNN Rádio, a especialista e mestre em Previdência Social pela PUC-SP, Jeanne D’Arc Magliano, explicou quais serão as mudanças para 2022.

De acordo com ela, a redução de direitos prevista pela reforma é feita de forma gradativa, já que ela trouxe “impactos relevantes para futuras aposentadorias e base de cálculos.”

Três tipos de aposentadoria terão mudanças. Em 2022, as mulheres deverão ter no mínimo 61 anos e meio de idade, com 15 anos de contribuição. Antes, era necessário o mesmo período de contribuição, com 61 anos de idade.

A aposentadoria por pontos também sofreu alterações. “Em 1º de janeiro, a mulher precisa ter 30 anos de contribuição no mínimo e 59 anos de idade, somando 89 pontos; já os homens deverão ter 35 anos de contribuição e 64 anos de idade, somando 99 pontos.”

Antes, o somatório para mulheres era de 88 pontos, enquanto 98 para homens. Por fim, a idade mínima para aposentadoria também muda: a partir de 2022, mulheres devem ter 57 anos e 6 meses e homens 62 anos e 6 meses.

Jeanne ainda fez uma recomendação: “Mais importante do que decorar as idades e regras, é procurar um especialista”. Segundo ela, o cálculo de em que momento é mais adequado para se aposentar deve ser personalizado: “Não é loteria e tiro no escuro, existe planejamento previdenciário, precisa analisar o extrato previdenciário, desde o primeiro dia, com valores.”

A especialista também avalia que não é bom “deixar de contribuir para o regime geral” de forma alguma, porque ele “garante o mínimo assistencial.”

“Minha sugestão é colocar mais ovos nessa cesta, deixar de contribuir nunca, ainda que não dê para contribuir com o valor maior, mas faça uma previdência privada ou investimento em imóveis, para no final se aproximar da renda mensal de antes de se aposentar”, completou.

Matéria publicada pela CNN Brasil em 31/12/2021

Digite seu CPF abaixo, caso deseje pontuar no Programa Parceria Premiada