O que Juliette Freire tem a ver com a campanha Embaixadores da Previdência? Tudo. Entenda.

A- A+
16 de julho de 2021

Sabe aquela sensação de olhar para alguém e gostar automaticamente? É inexplicável. Não tem nem uma palavra para explanar isso no nosso dicionário. No inglês, tem uma expressão que até chega perto de transmitir o que é isso. É a “likeability”. Em tradução livre (bem livre, mesmo!), seria algo como “gostabilidade”. Como calcular a “gostabilidade” de uma pessoa?

Em tempos de redes sociais e chuva de likes, esse tipo de sentimento ultrapassou os muros da vida real e caiu com força no digital. Hoje, apertar o botãozinho do coração em qualquer mídia no seu celular faz as pessoas sorrirem do outro lado da telinha. Corações demais pop-upeando no smartphone de alguém pode significar muita coisa, inclusive a sensação de aprovação social.

Agora, imagina a cena: 15 ou 20 pessoas, entre famosos e desconhecidos, presos em uma casa e supervisionados 24 h por dia, sendo assistidos pelo Brasil todo. Parece familiar? Quer você goste ou não, o Big Brother é um grande experimento que nos possibilita enxergar o ser humano de perto, com todas as suas falhas e defeitos. Em uma caixa sem saída como o BBB, a chancela de “boa pessoa” vale mais do que bons sentimentos. Vale dinheiro e fama.

Falemos sobre o fenômeno Juliette. Uma paraibana que entrou no programa no grupo dos desconhecidos, com pouco mais de 3 mil seguidores em sua rede. Fez uma trajetória simples, mas honesta. Foi escanteada, vítima de fofocas, alvo de brigas. Há quem diga que foi “inveja”. Outros falam que foram as circunstâncias do jogo. Lá dentro, a sensação (na cabeça dos adversários) era de jogadora fraca. Aqui fora, o impacto da sua personalidade no Brasil foi digno de estudo. Apenas impressionante.

Com o tempo, sua torcida aumentou. Os seguidores chegaram na casa dos milhões. Famosos tietando em suas redes sociais. Sua equipe de marketing passou de um grupo com poucas amigas para mais de 20 pessoas. Todas as marcas queriam um pedacinho dessa fama construída em poucos dias da forma mais honesta possível. Qual foi a fórmula? Ninguém sabe. Talvez, ela ainda se deite todas as noites e ache que sua vida é um sonho. Há quem explique carisma? Definitivamente, não.

Antes mesmo de sair do BBB, Juliette já tinha contrato assinado com inúmeras marcas de impacto nacional. Aqui fora, mesmo com a hiperbólica fama, continuou sendo a mesma pessoa de dentro do programa. Afinal, se você trabalha com verdade e transparência, não precisa se preocupar em manter a máscara do personagem. Novas empresas queriam provar o gostinho do sucesso da garota. O resultado disso é o seu rosto em todo lugar.

Juliette Freire ainda não tem noção do impacto que causou. Literalmente, mudou a fórmula empoeirada de se jogar um dos mais famosos games do mundo. Quebrou o padrão do que é ser famosa e ainda foi a musa inspiradora da mudança de um dos termos mais famosos do marketing. Ela reforçou a importância do que é ser realmente um “embaixador da marca”.

O contrato e as atribuições também mudaram. Antes, não era preciso consonância alguma entre os valores da marca e o influenciador contratado. Você se lembra da princesa do pop Sandy e da cerveja Devassa? Até hoje, fez sentido pra alguém? Não. Nem pra ela. Mas eram outros tempos. Hoje, o embaixador precisa VIVER o que a marca prega. É preciso haver uma sinergia muito grande. O consumidor já não é mais enganado.

É muito mais do que apenas divulgar. É representar. Juliette escolheu marcas cuja proposta de valor fosse parecida com o que ela acreditava para a sua vida. Neste novo modelo, só funciona assim. É preciso ACREDITAR. Afinal, as pessoas só depositam confiança no que acreditam e confiam.

Nós, da Capef, também entendemos a aderimos a essa nova proposta midiática fortalecida pela Juliette. Inspirados na tendência, lançamos a campanha Embaixadores da Previdência. Já falamos da importância de investir em Previdência Privada para garantir um futuro mais tranquilo, realizar sonhos, apoiar os filhos, constituir reserva financeira ou, até mesmo, ter aquela graninha guardada para emergências. Acreditamos que é uma opção muito vantajosa para todos – quem tem, acredita! – e queremos levar a informação para ainda mais pessoas.

Se você tem colegas do BNB sem Plano de Previdência Complementar, a sua indicação para aderir ao Plano CV I é o passe para que ambos sejam Embaixadores da Previdência. Ao indicar alguém para participar da promoção, você pode enviar uma mensagem diretamente para ele nas redes sociais, clicando nos novos botões da página da campanha. Caso ele se inscreva, ambos ganham um brinde institucional e você ainda pode ganhar um vale-compras no valor de R$ 1.000! A melhor parte: não tem paredão!

Acesse capef.com.br/site/embaixadoresdaprevidencia e saiba como participar. Vale a pena, confie.

 

 

Digite seu CPF abaixo, caso deseje pontuar no Programa Parceria Premiada